História da CONMEBOL Copa América

Guia da Betsson para a Copa América 2021


Um dos momentos mais esperados no futebol sul-americano finalmente chegou. Estamos falando da 47ª edição da CONMEBOL Copa América, que vai acontecer entre junho e julho de 2021. Neste ano, a Betsson foi escolhida para ser a parceira oficial das apostas esportivas da Copa América. Por conta disso, vamos contar algumas informações importantes sobre o torneio, além de falar um pouco mais sobre as equipes que estão lutando pelo título continental.

Como mostramos na introdução, a CONMEBOL Copa América de 2021 marca a celebração dos 104 anos da criação desse torneio. Uma história que começou na Argentina em 1916, quando o país foi sede da primeira edição da competição sul-americana. Os uruguaios foram os campeões na ocasião, após superarem os anfitriões na final. Desde então, a Copa América se manteve como uma grande tradição e é reconhecida no futebol por ser o torneio de seleções mais antigo do mundo.

Durante todos esses anos, o Uruguai foi a seleção que mais participou do torneio, além de ser o time que mais vezes levantou a taça de campeão. Atualmente, a La Celeste conta com 15 títulos da Copa América. A seleção da Argentina aparece logo atrás, com 14 torneios continentais conquistados até o momento. Isso significa que um título dos argentinos em 2021 empataria esses dois rivais no ranking dos campeões.

Entretanto, essas não são as duas únicas seleções que estão na corrida por mais títulos da Copa América. Recentemente, o Brasil conquistou o 9º título do torneio e segue firme com o objetivo de defender a faixa de campeão para se aproximar ainda mais dos dois principais rivais do futebol sul-americano. Outras seleções que já foram campeãs são: Paraguai (2), Chile (2), Peru (2), Colômbia (1) e Bolívia (1). Recentemente, essas equipes começaram a desafiar o favoritismo das três maiores campeãs, tornando a Copa América um torneio mais equilibrado e imprevisível.

CONMEBOL Copa América 2019

A 46ª edição da Copa América se destacou como um dos torneios mais emocionantes da história recente da competição. Com os jogos acontecendo no Brasil, a disputa teve como convidados as seleções do Japão e do Catar, que foram as duas únicas representantes de fora do futebol sul-americano. A Seleção Brasileira saiu vitoriosa em casa, consagrando Tite e todo o elenco convocado para a disputa.

O campeonato aconteceu no formato tradicional, em que os participantes são divididos em grupos e disputam entre si as vagas para a fase final da competição. Em 2019, quando a Copa América voltou a ser jogada em território brasileiro depois de 30 anos, os grupos com as 12 seleções foram divididos da seguinte forma:  

  • Grupo A – Brasil, Venezuela, Peru e Bolívia
  • Grupo B – Colômbia, Argentina, Paraguai e Catar
  • Grupo C – Uruguai, Chile, Japão e Equador

Fase de grupos

Desde os primeiros jogos da competição, foi possível assistir a um futebol de grande qualidade por parte das seleções. Além de alguns resultados surpreendentes, as partidas também foram marcadas pela abundância de gols nas rodadas desta primeira fase.

Rodada 1

  • Brasil – Bolívia (3-0)
  • Venezuela – Peru (0-0)
  • Argentina – Colômbia (0-2)
  • Paraguai – Catar (2-2)
  • Uruguai – Equador (4-0)
  • Japão – Chile (0-4)

Rodada 2

  • Bolívia – Peru (1-3)
  • Brasil – Venezuela (0-0)
  • Colômbia – Catar (1-0)
  • Argentina – Paraguai (1-1)
  • Uruguai – Japão (2-2)
  • Equador – Chile (1-2)

Rodada 3

  • Bolívia – Venezuela (1-3)
  • Peru – Brasil (0-5)  
  • Catar – Argentina (0-2)
  • Colômbia – Paraguai (1-0)
  • Chile – Uruguai (0-1)
  • Equador – Japão (1-1)

Nesta fase de grupos, o Brasil mostrou ter uma equipe equilibrada e com qualidade suficiente para vencer os adversários. Com 8 gols marcados e nenhum sofrido, a seleção conseguiu avançar com certa tranquilidade na liderança do Grupo A. Na segunda posição, e de forma surpreendente, ficou a Venezuela. Após as três rodadas iniciais, a La Vinotinto conseguiu segurar dois empates, contra Brasil e Peru, além de vencer por 3 a 1 a Bolívia. Esses resultados foram suficientes para garantir uma vaga na fase seguinte.

Quartas de final: Brasil sofre e Peru surpreende

Para as quartas de final da CONMEBOL Copa América de 2019, se classificaram os dois primeiros colocados de cada grupo, além dos dois melhores terceiros lugares da fase inicial. Isso beneficiou o Peru e o Paraguai, que foram as equipes que garantiram vaga mesmo ficando na terceira posição dos grupos A e B, respectivamente. Os peruanos souberam aproveitar bem essa chance. 

Um ponto interessante das quartas de final, e que mostra como essa edição foi emocionante, foi a quantidade de decisões por pênaltis. Três das quatro partidas terminaram sem gols no tempo regulamentar, e os classificados foram decididos após a cobrança das grandes penalidades. 

  • Brasil – Paraguai: (0-0 / Pênaltis: 4-3)
  • Venezuela – Argentina: (0-2)
  • Colômbia – Chile: (0-0 / Pênaltis: 4-5)
  • Uruguai – Peru: (0-0 / Pênaltis: 4-5)

A Argentina foi a única seleção que avançou para a semifinal no tempo regulamentar, após derrotar a surpreendente equipe da Venezuela por 2 a 0, com gols de Lautaro Martínez e Giovani Lo Celso. Enquanto isso, a Seleção Brasileira sofreu para vencer o Paraguai na disputa por uma vaga e só avançou depois da decisão por pênaltis. Após um empate sem gols no tempo normal, Willian, Marquinhos, Philippe Coutinho e Gabriel Jesus converteram os pênaltis que garantiram a vitória.

O Chile passou por sufoco parecido, mas contra a valente Colômbia. A equipe venceu nos pênaltis, com Arturo Vidal, Eduardo Vargas, Erick Pulgar, Charles Aránguiz e Alexis Sánchez acertando todas as batidas. Porém, a maior surpresa desta fase foi a vitória do Peru, também nas penalidades, contra o favorito Uruguai. A La Blanquirroja também foi perfeita nas cobranças, com Paolo Guerrero, Raúl Ruidíaz, Yoshimar Yotún, Luis Advíncula e Edison Flores garantindo uma vaga surpreendente na semifinal.

Semifinais da CONMEBOL Copa América de 2019

Duas partidas bastante tensas deram o tom das semifinais da CONMEBOL Copa América de 2019, que ficou marcada principalmente pelo maior clássico da América do Sul e por uma nova surpresa do Peru.

Brasil – Argentina (2-0)

Na primeira partida, o Brasil teve pela frente um dos maiores testes da competição. O clássico contra a Argentina era esperado pelos torcedores e foi bastante equilibrado. A equipe argentina se manteve com a posse de bola, mas quem teve maior efetividade foram os jogadores brasileiros. Logo aos 19 minutos do primeiro tempo, Gabriel Jesus abriu o placar em excelente jogada iniciada por Daniel Alves. No segundo tempo, aos 26 minutos, Roberto Firmino aproveitou um contra-ataque e marcou o segundo gol para garantir a vaga brasileira na final da competição.

Chile – Peru (0-3)

Na segunda partida dessa fase, a disputa entre Chile e Peru parecia ter um caminho certo. Inclusive, nos minutos iniciais, a equipe chilena tentou pressionar o adversário para abrir o placar logo cedo. Entretanto, para surpresa dos torcedores e dos fãs do esporte, os gols saíram pelo lado peruano. Edison Flores e Yoshimar Yotún abriram uma vantagem de dois gols ainda no primeiro tempo, enquanto o capitão Paolo Guerrero, no minuto final, garantiu a vitória por 3 a 0 e a presença do Peru na final após 44 anos.

A grande final: Brasil vs. Peru

A disputa da grande final da Copa América no Brasil, algo que não acontecia desde 1989, foi uma das grandes motivações para a equipe verde e amarela. O caminho até a decisão mostrou que o elenco liderado por Tite estava pronto para enfrentar momentos de pressão e que estava unido e disposto a vencer em casa. Nem mesmo a ausência de Neymar, que foi cortado por conta de uma lesão, impediu a Seleção Brasileira de ter um conjunto forte e unido.

Isso pôde ser visto durante os 90 minutos da final, que ficou marcada pelo equilíbrio e pelas chances criadas pelos dois lados. Entretanto, logo aos 15 minutos de jogo, Everton Cebolinha foi mais efetivo e aproveitou excelente jogada cruzada para abrir o placar na final. Uma vantagem que durou até os 44 minutos, quando Paolo Guerrero converteu penalidade máxima e decretou o empate. A sorte brasileira é que a reação ao gol sofrido foi rápida, pois 4 minutos após o empate, Gabriel Jesus recolocou o Brasil na frente em gol marcado no contra-ataque. 

Durante o segundo tempo, as duas equipes diminuíram o ritmo e sentiram o cansaço. Os dois treinadores realizaram algumas mudanças, mas poucas oportunidades de gols foram criadas na etapa final. Melhor para o Brasil, que estava à frente do placar, e conseguiu garantir a vitória com um gol de pênalti marcado por Richarlison aos 45 minutos do segundo tempo. Esse gol fez explodir a festa no Estádio Maracanã e garantiu o nono título do Brasil na Copa América.

Alguns jogadores brasileiros se consagraram na campanha. Foi o caso do lateral Daniel Alves, que venceu o prêmio de melhor jogador da competição, e de Alisson, que ficou com o título de melhor goleiro da Copa América de 2019.

As melhores equipes da CONMEBOL Copa América

Durante as várias edições do torneio, algumas equipes fizeram história e brilharam o suficiente para serem lembradas de maneira honrosa na Copa América. Vamos fazer uma pequena retrospectiva e relembrar quais elencos conseguiram entrar para a categoria de melhores equipes da CONMEBOL Copa América.

Chile 2015-2016: Dois títulos consecutivos

A La Roja conseguiu os seus dois únicos títulos da Copa América de maneira consecutiva e surpreendeu todos os rivais e fãs do futebol sul-americano. O primeiro título chileno aconteceu na edição de 2015 e foi uma agradável surpresa aos torcedores locais, pois o país era o anfitrião do torneio. A equipe eliminou o Uruguai, o Peru e venceu nos pênaltis a final contra a Argentina. Uma campanha perfeita e com um final feliz.

A segunda conquista veio no ano seguinte, em 2016, durante a disputa da Copa América nos Estados Unidos, que foi uma edição especial em comemoração aos 100 anos do torneio. Os jogadores chilenos eram praticamente os mesmos do título anterior, e isso fez com que a equipe chegasse ainda mais preparada. Após avançar na fase de grupos e passar por México e Colômbia, a La Roja voltou a enfrentar a Argentina na final. A vitória, novamente nos pênaltis, garantiu o segundo título consecutivo do Chile e colocou alguns jogadores do elenco na lista dos melhores jogadores da Copa América.

O melhor jogador do torneio foi o ala Alexis Sánchez, enquanto o artilheiro da competição foi o atacante Eduardo Vargas, que marcou seis gols nas seis partidas que disputou. Além disso, o prêmio de melhor goleiro da Copa América Centenário foi para Claudio Bravo, que recebeu esse prêmio pela segunda vez na carreira e de forma consecutiva. 

Argentina tricampeã: 1945-1946-1947

Quando o assunto são títulos consecutivos, é impossível deixar de lado o elenco da Argentina que marcou uma era e até hoje é a única seleção tricampeã na história da Copa América. Durante esses anos vitoriosos, jogadores como Adolfo Pedernera, José Manuel Moreno, Norberto Méndez e o craque Alfredo Di Stéfano marcaram para sempre a camisa alviceleste e foram responsáveis por um dos momentos mais gloriosos do futebol argentino. 

Um destaque especial vai para o meia-direita Norberto Méndez, que até hoje, ao lado do brasileiro Zizinho, é o maior artilheiro da história da Copa América. O jogador argentino marcou 17 gols em 17 partidas disputadas na competição. 

Brasil invencível: 1999

A Seleção Brasileira não poderia ficar de fora dessa retrospectiva de grandes elencos. Nada melhor do que falar da equipe do Brasil de 1999, que talvez seja o melhor time que já disputou a Copa América. A lista de jogadores convocados para o torneio daquele ano tinha nomes como Dida, Cafú, Roberto Carlos, Rivaldo, Ronaldo e Ronaldinho Gaúcho. Todos esses craques marcaram história na competição e, mais tarde, no futebol mundial.

Na disputa da Copa América de 1999, esse grupo de jogadores conseguiu fazer uma campanha perfeita. Além de vencer todos os jogos, o time sofreu apenas dois gols e foi campeão sem qualquer dificuldade. Destaque especial para o atacante Rivaldo, que ficou com o prêmio de melhor jogador do torneio.

Os melhores confrontos na história da CONMEBOL Copa América

Em mais de 100 anos de história, a Copa América já foi palco de vários confrontos que ficaram marcados na mente de torcedores e de fãs do esporte. Vamos revisitar alguns desses momentos e relembrar os três jogos mais memoráveis, além de algumas curiosidades sobre a Copa América.

Brasil 0-2 Honduras: A maior zebra da Copa América

Em 2001, o Brasil foi vítima de um dos jogos mais surpreendentes da história da competição. Uma partida que contou com um final inesperado para a maioria dos fãs que apostaram na Copa América. Durante as quartas de final, o hondurenho Saúl Martínez marcou duas vezes no segundo tempo e eliminou a equipe brasileira, conseguindo uma vaga mais do que merecida nas semifinais. 

México 0-7 Chile: A goleada humilhante da La Roja

Na Copa América de 2016, quando o Chile garantiu o segundo título consecutivo, o confronto dos campeões contra o México ficou marcado para sempre. A partida válida pelas quartas de final foi uma vitória histórica da La Roja no torneio. Com quatro gols de Eduardo Vargas, dois de Edson Puch e um de Alexis Sánchez, a equipe chilena humilhou os rivais e seguiu caminho para mais tarde se tornar campeã.

Brasil 2-2 Argentina: A grande final da CONMEBOL Copa América de 2004

A edição disputada no Peru conseguiu realizar o sonho de milhões de torcedores e fãs de futebol: uma grande final entre Brasil e Argentina. Após a partida chegar aos minutos finais com um empate de 1 a 1 no placar, o argentino César Delgado marcou aos 42 minutos do segundo tempo e praticamente sacramentou a vitória. Alguns jogadores argentinos, como Carlos Tevez, chegaram a comemorar o título. Porém, em jogada que ficou para a história, o atacante Adriano conseguiu buscar o empate aos 48 minutos. O Brasil ainda conseguiu vencer a disputa de pênaltis para ficar com o título e marcar para sempre essa partida na história do futebol sul-americano.